Frescor

 

pes-na-grama

Depois da chuva, sentindo o cheiro da mata

Pisando no solo, tocando a pele desnuda

Sentindo a maciez da grama já crescida

Rude palavra ouve de pessoas insensatas.

 

Revelas-te com inescrupulosas atitudes

E, quanto mais tento conhecer-te

Mais obscura fica minha mente

És brilhante, possuis muitas virtudes.

 

Quero ouvir os pássaros no amanhecer

Andar na chuva, pisar nas poças d’ água

Que deleitam pelos córregos no entardecer.

 

Demonstras tuas habilidades silenciando

Não julgues se não sabes da minha dor

E na brisa fresca deixa o tempo passando. 

 

 

 

Produção: Miriam Carmignan

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s