Ondas

ondas

Quando absorto estiver, cansado e triste

E as espumas brancas das ondas do mar

Rebentarem em teus belos e desnudos pés

Sente a força da natureza para recomeçar.

 

Como a água fria que bate nos corpos quentes 

Que desperta para o calor sol, e vai refrescando.

Enquanto os pensamentos levitam suavemente

Como as águias que sobrevoam em seus bandos…

 

Trazem uma refrescante sensação de paz

E dissipam para longe as amarguras sentidas

Como a tempestade revolta que se desfaz

Absorvendo a brisa leve das marés atrevidas.

  

Num repente, ao longe, surge um imenso cardume

Juntando-se num montante absurdamente magnífico

E nadam para bem distante, aquele grande negrume

De incontáveis seres que vivem no misterioso pacífico.

  

Águas que vêm e que vão levando meus pensamentos

Insuflando meus desejos verdadeiros e mais ardentes

Que ensejam ouvir as palavras doces num momento

E que  brotem dos doces lábios e sejam eloquentes.

 

 

Saudades de ficar terno com mais leveza no coração

Sem as angústias desnecessárias de extremas valias

Ostentar a plenitude da vida, viver com mais emoção

Sentir o cheiro do mar e seus encantos em revelias.  

 

Catar conchinhas num amanhecer para ter lembranças

De palpáveis recordações no caminhar sem rumo certo

Em devaneios ao meio das turbulências, uma esperança!

Das pegadas ali deixadas pelas crianças. Olho e desperto…

 

 

Produção:  Miriam Carmignan

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s