Escondidos e perdidos (Alzheimer)

Buscar, ver e rever no meu recinto o que eu mesma escondi!

Bizarro, mas é isso mesmo! Demorei em assimilar, mas entendi

Deparo-me com a situação, às vezes confusa, às vezes estarrecida,

Vou assimilando aos poucos, os percalços da doença que a deixa esquecida!

No primeiro momento uma avalanche de prematuras emoções

No princípio, prejulgamentos tentando harmonizar tais confusões.

 

Na expressão de choro que ela fazia consolo, tentando entender

O que está se passando?  Espasmos?  Como é difícil compreender!

Na atual conjuntura da vida, penso! Sequelas dos anos já vividos?

Para cada ”ser”, vitórias e suas amargas histórias. Bem diferentes

No seu momento, está intensificando em permanecer mais ausente.

 

Em cada alma peregrina, sentimentos normais para situações que são reais

Mesmo que límpidos os caminhos, pode acontecer para qualquer um de nós.

Nas ondulações, aparente fisicamente saudável, menos a sua mente…

Apagando e devaneando a cada dia que passa, silenciosa e lentamente.

Uma história de vida longa, harmônica e tumultuada, acredita consensual.

 

Amor e ódio, alegrias e tristezas, agora reprimindo sua antiga coragem…

Memoráveis recordações reais e ilusórias de velhas paixões e miragens

A mente se perdendo pelo “Alzheimer” e seu corpo gritando pela vida.

O ambiente apropriado para esse momento e carinhosamente atendido.

A vida é assim: viver o momento presente. Se possível sem julgamentos.

 

 

Produção texto: Miriam Carmignan 

Anúncios

Amanheceu

wallpaper-very-big-phoenix

Renova-te com atitudes boas e positivas

Enriquece com as novas experimentações

Convives, compartilhas. Não te encarceres!

 

Contigo estou, mas não sei quem tu és!

És sedutora! Habituaste a usar máscaras!

Aparenta-te sóbria, como uma bela dama!

 

Mas quando preciso de ti, és vulnerável, infama.

Ultrajas-me com paródicas carícias aparentes!

Fúteis e insérteis comportamentos te difamam.

 

Tua beleza aparente é fútil, mera transparência

Tornaste-te uma figura sem brilho, insignificante.

Aliena-te aos compromissos sérios e importantes.

 

 

Produção: Miriam Carmignan

 

 

 

O sabor da felicidade

borboletas

Voltando para casa numa manhã bem ensolarada

Os ventos que sopravam batendo em meu rosto

Um indefinível perfume daquelas belas floradas

Cheiros agradáveis inebriando meu cansado corpo.

 

Os pássaros vibrantes, migalhavam inquietantes

Harmoniosamente cantavam regentes orquestrados

Catando resíduos teciam como artesões operantes

Livres das interferências e manipulações, inspirados!

 

Como anjos no alvorecer indicando qual trilha seguir

Sentindo o sabor da felicidade, sem precisar questionar

Se as escolhas, justas ou injustas para com o existir…

 

Sobreviver sentindo no corpo e o pulsar para prosseguir                       

Germinar como as sementes que brotam sem interrogar

“O que temos é o agora”, felicidade! Precioso usufruir…

 

 

Produção texto: Miriam Carmignan

 

Flores

Flower-hand-WP

Simplesmente Oferta!

Sentimos imensa dor

Quando ofertamos flores

E estes sequer, sentem o seu perfume!

Mas, mantenhas o costume.

 rosas vermelhas

Rosas! Quantas desejarem…

O importante é doarem.

Cravos! Um bem grande e vermelho

Para refletir num espelho.

 

Jasmim! Uma árvore bem cheia

Para perfumar em noite de lua cheia.

Margaridas! Brancas e grandes com o miolo amarelo

Para quando despetaladas, ficarem esfareladas.

 copos de leite

Copos-de-leite! Muitos num grande banhado

Rodeados por campinas, mas, todos enlameados.

 crisantemo

Crisântemos! Brancos, altivos e fortes

Enaltecidos com seu grande porte.

Amores-perfeitos! Multicoloridos na plana relva

Com a beleza de suas cores  parecendo uma selva.

 

 

Produção texto: Miriam Carmignan

O belo e o feio

caras da mente

Não tem, realmente, como definir!

Simplesmente há que se refletir…

Há, sim, diferentes formas de ver

De sentir,  de se absorver sem sofrer.

 

Vemos e sentimos num repente

Conforme o estado e a mente…

Lucidez ou devaneios na solidão

Fantasias plenas, na imensidão…

 

Na hierarquia dominante se esvai

Descontraidamente ela apenas vai

Espreita na dominante insensatez

Dormentes pensamentos na nudez.

 

Julgamentos sem nenhuma clemência

Eternas são as constantes irreverências

Incontidos desafetos e muito enfurecidos

Nas discordâncias insistem, esmorecidos…

 

 

 Produção texto: Miriam Carmignan

Inferno e paraíso

anjos e demonios

Na maldade para com a vida, pode ser um inferno

Se descuidarmos um pouco, permanecem eternos

Na compaixão e flexibilidade, pode ser um paraíso

Em qualquer lugar do universo, existe sobreaviso…

 

Na luta dos indivíduos e dos povos, eternos conflitos…

Nas opressões, falta de respeito, educação… Aflitos!

Nas disputas intermináveis pelo poder, traições, maldades…

Nas marchas pacifistas pelo bem, união e grandiosidades…

 

Nos confrontos entre nações, ou debaixo dos mesmos tetos

As pessoas veem sob prismas diferentes. Inferno ou paraíso…

Como em velhas ruinas, cada fragmento teve seu tempo.

 

Levanta da escuridão, busca um raio de sol, mesmo que incertos

Silencia nas trevas, reflete na luz, prossegue alerta e mais conciso

Navega pelos mares, anda pelos desertos e campinas e ao relento…

 

 

Produção texto: Miriam Carmignan

Fabrício/homem

ramalhete

O jovem menino homem está cada vez mais forte

Nas idas e vindas, transformando-se com maturidade

Tantas foram neste ano, que resultou em maternidade

Belíssima surpresa! Vai ser um papai de muita sorte.

 

Nas contravenções vividas, superações desenvolvidas

Com habilidades criativas se expressando com amor

Atitudes perceptivas de um jovem que luta com ardor

Nas constantes buscas caminha sem esperar contrapartida.

 

Nas contradições, vence obstáculos com notoriedade.

Estagiando nas estâncias, vai adquirindo experiências

Agindo generosamente, compartilha sem névoas nos olhos.

 

E no exercício de suas funções, discrição e particularidade,

Nos relacionamentos, um verdadeiro gentleman…

Eternamente amado por todos,

E muito em breve, também por seu pimpolho…

 

Feliz aniversário amado filho, Fabrício Guilherme Riquetti.

 

Produção texto:  Miriam Carmignan