Glomourosa!

 Glamorosa e cheia de si, você bate em minha janela

Expande seus fortes braços, acariciando meu olhar

O esplendor do seu vestido com babados a farfalhar

Todo bordado de flores brancas, uma linda donzela. 

 

Vênus formosa, estremece todos os meus sentidos

Ventos sopram suaves, reverenciando seu encanto

Estrelas sobre você cintilam como brilhante manto

Aparência que cativa, espalha emoções e suspiros…

 

Uma dama adornada de venturas com as belas cores

Transeuntes, beija-flores que se aninham em voadas

Enquanto a vida nos instiga, alçam os bons alvores.

 

Sutil é a glamourosa árvore com as galhadas incríveis

Preenchendo todos os espaços, já há muito enraizada

São velhos cernes que nos passam recados indizíveis.

 

 

Texto e imagem: Miriam Carmignan

Soneto

Nas ansiedades

Há ansiedades de tudo, e tudo por nada

Em cada alvorecer traçados objetivos

Atenuam no cotidiano, compreensivos

Corroem as almas, deixam-nas pesadas.

 

Alada alegria, ao vislumbre que cativa

Ternamente afagam, extrema sutileza

Com a sonora musicalidade da beleza!

A luz do sol que sobressai e nos motiva.

 

Seguir adiante com destreza e paciência

Encantos supremos, terra, flor, a “ciência”.   

Intrigantes elos procedem em sintonias.

 

Secretantes são os bons aromas rotineiros

Rejuvenescendo nos banhos prazenteiros

Num alvorecer sóbrio em boa companhia.

 

Texto: Miriam Carmignan

Soneto

Imagem Google

O néctar

Abelha na flor

Pousando de flor em flor

Seu néctar sugando.

 

Trabalho conjunto

Tem o sumo como assunto

Movem-se voando!

 

Seres flutuantes

Visitam as lindas flores

Sugam com amores.

 

 Vida emocionante

Terno bailado no ar

Emoção sem par.

 

 

 

Texto e imagem: Miriam Carmignan

Poema: Haicai

 

 

Metas traçadas

 Na esperança da vida, temos algumas metas traçadas

Quando motivados, nos intentos sentimos vislumbres!

As sensações são nuas e cruas e também solitárias…

Sensuais, tristes e inofensivas como a luz dos vagalumes.

 

Você se sente só com os obstáculos que são intensos…

No percurso da jornada, consciente, metas a prevalecer.

Barreiras quase intransponíveis aos seus movimentos…

Transpõem-se, observa o nascer do sol no amanhecer.

 

Nesta corrida desafiadora que almejas, os transpores…

Com desvelo você corre, um ser afoito que deseja chegar

Abraçar seus queridos, pleno de dedicação nos pensares…

 

Que esperam por você na chegada, com orgulho a celebrar

Metas traçadas nos andares e junto com eles comemorar

Na caminhada, os desafios, e com sensibilidade, valorizar.

 

 

 Texto: Miriam Carmignan

Soneto

Para meu filho Fabrício Guilherme, menino/ homem, vencedor. Orgulhosa de suas metas traçadas e realizadas. Maratona em Treze Tílias, SC, 42 km, terceiro lugar.

 

Na primavera navegar

Vou navegar suave, sem mais olhar para trás

Nas manhãs ensolaradas eu quero caminhar…

E nas manhãs chuvosas e frias, vou dormitar

Nas hostilidades, calar-me-ei, só quero paz…

 

Espinhos: só se for colhendo rosas perfumadas     

Nas chuvas e sóis e nas noites claras, apreciar

Quero sentir olores e sabores, me presentear…

Usufruir de um envelhecer tênue e sensibilizada.

 

Em cada nova estação, as celebrações esperadas

Vou comemorar o florescer primaveril com alegria

Saudar a vida harmonicamente e sem nostalgias… 

 

Esperanças renovadas nas desventuras inesperadas  

Fortalecer-me-ei na brisa fresca dos amanheceres

Pacientemente, verei o pôr do sol nos entardeceres.

 

 

 

Texto: Miriam Carmignan

Soneto

Pedras nos confrontos

Elas estão ali e quietas, cada uma delas, ocupa o seu espaço

Preenchem as magníficas paisagens e os lugares no universo

São ínfimas ou gigantes e sofrem nas transformações diversas…

Tudo depende dos elementos e das combinações nos espaços…

 

Podem ser preciosas, ou agressivas, conforme as remodelamos

Tudo é um processo de polimento, condicionamento e o tempo

Que combinam nas proporções certas, conforme os movimentos

Pisamos, tocamos, apreciamos, elas: silenciosas onde passamos.

 

Pedras não ferem, desde que não sejam lançadas por maldade

Ao menos que elas tenham como seu propósito um alvo certeiro.

Grandes ou pequenas, tudo depende da precisão e da hostilidade…

    

Pedras machucam nos confrontos e nos ardis das disputas ferrenhas

Um povo febril e carente, que sofre pela falta do amor verdadeiro

A pedra é o fogo que queima como a chama que brota das lenhas.

 

 

 

Texto e imagem: Miriam Carmignan

Soneto

 

 

 

Amor e saudades

Quanto amor eu posso sentir por você

Você sem medidas é muito significante

Significante é a saudade que eu sinto…

Sinto o coração pulsar com sua imagem.

 

Sua imagem distante, em mim desperta

Desperta saudades, ao sentir a sua falta…

Falta de seus olhares tênues e sedutores

Sedutores e compassivos são claros céus…

 

São claros céus enigmáticos que inebriam

Inebriam ternuras, impulsionam pensares

Pensares vivenciados com particularidades

Particularidades assertivas, mais nobrezas.

 

Nobrezas nas brisas saudosas das idades

Idades e ciclos que bem são aventurados…

Aventurados são os céus com os seus anjos

Anjos que emanam cautelosas emanações.

 

 

Texto e imagem: Miriam Carmignan

Poema de amor

 

 

A vida é uma aquarela

Luz, sombra, misturas pecadoras

Perfumes, arco-íris, chuvas e sóis

Solidão suave, nuvens sonhadoras

Rimas coloridas pintando girassóis.

 

Insônia vigilante e tristemente fria

Nas alegrias alguns lúgubres aclives 

Contrastes claros e escuros, é a vida

Extasiantes fluxos com seus matizes.

 

Contrárias concepções nas harmonias

Alguns prevalecem sem amor e alma

Outros se expandem calmos, contidos.

 

Suspiros e dissabores nas sincronias

Chorar, disfarçar e sorrir nas palmas…

Na luz e sombra são comprometidos.

 

Texto: Miriam Carmignan

Soneto

Imagem Google

A pequena “Beatriz”

Sonhei com nossa pequena “Beatriz”

Nossa mais linda menina princesinha

Ela pedia um colo da sua vovozinha

Que em seus braços a acolheu feliz.

 

Essa pequena menina é um encanto

Ela seduz com suas falas delicadas

Inteligente, extremamente elencadas

No patamar da luz infantil, entretanto:

 

Personalidade firme, com delicadeza

Muito sapeca, ela adora um colinho

Quando abraça a vovó, parece um ursinho

Aconchego gostoso com essa princesa.

 

 

Texto: Miriam Carmignan

Poema – Infantil